Correio dos Campos

Região mantém alerta para novos casos de febre amarela

Número de macacos mortos com a doença aumentou nas últimas semanas
30 de maio de 2019 às 19:00
Ações contra a doença seguem até o final do mês em todo o Paraná (foto: AENPR-Divulgação)

Por Melissa Eichelbaun,
para o Correio dos Campos

 

A região dos Campos Gerais não registrou nenhum caso de febre amarela em humanos, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). Apesar disso, a região registra o maior número de casos de febre amarela detectados em macacos, o que alerta os órgãos de saúde pública para intensificar a vacinação para a população e identificar em quais cidades o vírus está presente.

Dos 75 casos investigados de febre em macacos em todo o Paraná, seis são em Carambeí e oito em Castro, além disso, as cidades de Jaguariaíva, Piraí do Sul, Palmeira e Ponta Grossa também têm casos que estão sendo investigados.

Dos 32 casos já confirmados, 12 também estão no município de Castro, três em Jaguariaíva, um em Carambeí e um em Ipiranga. “Lembramos sempre que os macacos não transmitem a doença. Eles também são infectados e acabam servindo de sentinelas, indicando a presença do mosquito”, afirma a superintendente de Vigilância em Saúde da secretaria, Acácia Nasr. As equipes de saúde dos municípios onde os macacos mortos já foram encontrados mantêm o alerta para que a população avise os órgãos responsáveis, caso encontrem um animal morto ou ferido na área urbana ou rural. Dessa forma, as equipes podem avaliar se o macaco está contaminado com a febre amarela ou não.

População

A febre amarela é uma doença infecciosa causada por vírus que se manifesta com febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, dor no corpo, pele e olhos amarelados (icterícia) e hemorragia (gengiva, nariz, estômago, intestino e urina), podendo levar a morte nas formas mais graves.

A Secretaria de Saúde do Paraná registrou um único óbito de paciente em decorrência da febre amarela, na cidade de Morretes, no início do mês de março. Segundo os dados da Sesa, já são 16 casos da doença confirmados em humanos, onde 14 são do sexo masculino, com idades variando entre 10 e 60 anos. Os locais prováveis de infecção foram os municípios de Antonina, Guaraqueçaba, Paranaguá, Morretes, São José dos Pinhais e Adrianópolis, de acordo com o governo estadual.

A Sesa também tem 74 casos em investigação e desse total, dois são investigados na cidade Carambeí, um em Castro, um em Jaguariaíva e um em Ponta Grossa. O diretor da 3ª Regional de Saúde em Ponta Grossa, Robson Xavier da Silva, destaca que a melhor prevenção contra a doença é a vacinação. “Seguimos vacinando a população até dia 31 de maio, mas podemos prorrogar o prazo, caso o governo avalie que não atingimos a meta de pessoas imunizadas. Estamos acompanhando todos os casos confirmados e investigados para que possamos identificar a presença do vírus rapidamente”, explica.

O governo estadual também orienta que as pessoas que visitarem áreas de mata, devem se proteger usando repelente, calças compridas e blusa de manga comprida.

Números da febre amarela na região (população)

Casos em investigação: Carambeí (2), Castro (1), Jaguariaíva (1), Ponta Grossa (1) – Total do Paraná: 74

Casos descartados: Castro (7), Palmeira (5), Ponta Grossa (6), Telêmaco Borba (1) – Total do Paraná: 339

Casos confirmados: nenhum na região dos Campos Gerais. No Paraná um total de 16.

Números da febre amarela na região (macacos)

Casos em investigação: Carambeí (6), Castro (8), Jaguariaíva (2), Palmeira (2), Piraí do Sul (1), Ponta Grossa (1) – Total do Paraná: 75

Casos confirmados: Carambeí (1), Castro (12), Ipiranga (1), Jaguariaíva (3) – Total do Paraná: 32