Correio dos Campos

Digital Agro discute a internet das coisas

22 de setembro de 2017 às 16:37
Drones e veículos aéreos não tripulados foram as atrações da feira. Foto: Rodrigo Covolan.

No segundo dia de painéis sobre inovação e novas tecnologias para o campo na Digital Agro, maior feira de tecnologia digital da América Latina, que acontece em Carambeí (PR), o grande tema dos debates foi o monitoramento e a gestão nas propriedades rurais, além da introdução da “internet das coisas” no campo, oportunidades de negócio que essa nova fronteira abre para produtores, pesquisadores e empresas do setor.

Com um público aproximado de cinco mil pessoas nos dois dias de realização do evento, organizado pela Frísia Cooperativa Agroindustrial, a Digital Agro discutiu temas como automação e robótica, monitoramento e sensoriamento e temas ligados a gestão e sucessão familiar no campo.

“Os painéis atenderam ao público, que se manteve até o fim de todos eles, inclusive com discussões com as startups, que tiveram muita importância no evento”, afirma Emerson Moura, superintendente da Frísia. Na sua opinião, a programação da feira cumpriu o seu papel e aproximou o produtor das ferramentas digitais de produção. “A Digital Agro é um sucesso. Aqui o produtor teve a possibilidade de ver a tecnologia ao vivo. Antes, ele tinha criado o conceito de que a tecnologia digital não era para ele, mas a feira quebrou esse paradigma”.

Luiz Fernando Sá, diretor editorial da StartAgro, projeto de conteúdo multiplataforma voltado ao agronegócio, afirma que a feira tem um “potencial magnífico” para ser uma referência em tecnologia e agricultura digital. “Ela é muito bem organizada. A Digital Agro nos permite trazer conteúdo e debates para perto do produtor”, destaca Sá. “Existem muitas feiras, mas em locais onde o produtor não tem acesso. E o produtor tem uma expectativa alta em relação a tecnologias, mas desde que elas sejam simplificadas”.

“O produtor rural terá que acelerar mais para alcançar a tecnologia, que está distante dele e não para de avançar. Até aqueles que já a utilizam precisam andar rápido para acompanhá-la”, conclui Moura.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial

Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra.